domingo, agosto 12, 2007

Dhanaybad!


Dia 88, 5115 Km. McLeod Ganj, India.
- - -
Dhanaybad, significa "Obrigado", em Hindi.
- - -
Queridos amigos,
muito obrigado pela ampla resposta solidaria. Superou largamente a diminuta obra pictorica.
Contando com ofertas mesmo sem "desenho a vista", entreguei 200 euros ao Kessavalureddy. Para a India, o valor e bastante alto e tenho a certeza de que sera bem empregue.
Ele sabe que a ajuda veio dos meus "amigos portugueses" e, apesar de o ter recebido na primeira pessoa, o agradecimento nao me e exclusivo.
Pela parte que ainda me corresponde, todos serao compensados no devido tempo.
- - -
A abertura de sinal nao se alarga muito.
Continuo em McLeod Ganj, apreciando muito todas as noites ter que recolher a Dharamkot.
Pela manha, assisto a massa de nuvens que sobe desde o vale. Aparece e desaparece, assim como a vista do nucleo de casas tido como "centro" de Dharamkot, que se encontra num nivel inferior face a localizacao da minha varanda. Depois, ja com o estomago devidamente reconfortado com a repetida dose matinal de porridge com banana/mel e os objectos do dia contidos num unico alforge, desco pelo caminho enlameado.
Por vezes, encontro jovens pastores atentos aos movimentos de um rebanho simples de 4 cabras e monges budistas em passo apressado para uma nova licao.
Quando o rapido metabolismo reclama nova ingestao nutritiva paro na Tea Shop "Himalaya" e como um Danish Nut enquanto converso com o proprietario que todos os dias me pergunta o que ando a fazer. Tambem, invariavelmente, os condutores de Rickshaw que ai aguardam por clientela querendo descer a McLeod me fazem perguntas sobre a bicicleta. O preco e o numero de mudancas sao as questoes mais comums.
- - -











Dharamkot.


Tea Shop Himalaya e o seu proprietario. Dharamkot.


Jovens pastores em ferias escolares.





McLeod.

- - -
Os dias ainda sao preenchidos com aulas de Papier Mache e de Tai Chi. Entretanto tambem comecei, em horario nocturno, aulas de cozinha tibetana.
Hoje termino as licoes com Namsullah. Apliquei ja a ultima demao de laca na minha caixa decorada com motivos de Kashmir.
Com Natacha, restam-me duas licoes para completar a serie de 24 movimentos. Estarei entao apto para treinar sozinho.
Com Tashi, meu professor de cozinha tibetana, percebi que os tibetanos que aqui se encontram nem o estatuto de refugiados podem ter. A India nao lhes concede. Sao apenas tratados como "special guests", sendo o tempo de permanencia autorizado para alem de um turista normal.
Tashi tem a minha idade e escapou do Tibete ha 10 anos. Atraves dos Himalaias caminhou durante 28 dias. Esteve a beira da morte, por hipotermia.
Nunca mais pode rever a familia. Nos primeiros anos, apos fugir, as cartas que escreveu nunca chegaram. So apos algum tempo, um casal canadiano que aqui conheceu e se deslocou ao Tibete pode entregar uma carta ao seu tio que vive em Lhasa.
Se volta ao Tibete, Tashi, sabe que sera imediatamente detido.
Sem qualquer tipo de identificacao que o permita, nao pode viajar para nenhum pais fora da India...
Em Beijing 2008 significara, o espirito olimpico, a alianca entre os povos e o respeito pela liberdade?
- - -


Tashi.

- - -
Ontem, apos subir de noite para Dharamkot, enquanto descansava junto ao deposito de agua, o unico condutor de Rickshaw presente a essa hora vem falar comigo.
Vive no Rickshaw. Dorme ai toda a semana. Este objecto de trabalho, igualmente abrigo, nao lhe pertence. E apenas condutor. Conta-me que o dinheiro, para ele, nao e verdadeiramente importante. A ambicao do grau de felicidade define-a na tentativa de ajudar os outros. Todos os dias da duas ou tres "boleias" gratuitas a quem o necessita e nao pode pagar.
Aqui, como em outros paises, continuo a ter belos encontros e a receber as mesmas licoes de generosidade, sobretudo vindas de quem, materialmente, muito pouco possui.
- - -
Mais uma vez, muito obrigado a todos pelo crescente movimento solidario em que tornaram Radio Tamarugo.
Com um grande abraco e as sabias palavras de Dalai Lama deixo-vos ate proxima emissao.
- - -

The True Meaning Of Life

"We are visitors on this planet.

We are here for ninety
or one hundred years
at the very most.

During that period,
we must try to do something good,
something useful,
with our lives.

If you contribute to
other people's happiness,
you will find the true goal,
the true meaning of life."

His Holiness The XIV Dalai Lama
- - -




Temple Road, McLeod Ganj.




Continuo a frequentar o Open Sky Cafe.
O cao ja me conhece.







Igreja catolica "St. John in The Wilderness".
Entre McLeod Ganj e Dharamsala.




Cafe/Restaurante na estrada para a igreja.


7 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Olá João. O teu afilhado não pára de perguntar por ti e pediu para te escrever estas palavras, "de maneiras que é assim":
«Padrinho, não te esqueças de mim e tira as fotografias ao Taj Mahal. O meu pai mostra-me as tuas fotografias na Internet e olha que estão distintas. Quando vens cá? Muitos beijinhos. Tomás.»
Pronto, agora a Susana diz que tens que vir cá para contares essas tuas histórias e também para beberes um copo. Diz que pode ser mesmo Coca-cola. EhEhEh!!!
Um grande, grande abraço. Paulo Palma

3:01 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

João,
Obrigado por nos transmitires as tua crónicas sempre muito boas.
E com diz um provérbio "não interessa o que se dá, mas sim a maneira como se dá"...estou a ver que estás a constatar isso todos os dias...
Grande Abraço.
NM.

5:23 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Olá meu amor
Desta vez não fui a primeira mas nunca é tarde para te dizer que estou muito feliz por ti e,ac ima de tuddo,muito orgulhosa.
É sempre com grande expectativa que aguardamos os teus relatos que são invariavelmente grandes lições de vida.Que é atua...
E ,depois disto,que mais há para dizer-te?
Continua,pois,sempre fazendo prevalecer todos esses valores que são os que dão significado à Vida.
Um grandé,grande beijinho da
Mãe

11:52 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Sou eu, a tia.
Como dizer mais alguma coisa sobre as tuas vivências, se não há palavras para tanta riqueza ?!
Fico-me por um beijinho que está cheio de ternura, igual à que tu distribuis pelas pessoas que se cruzam no teu caminho de viajante.
Até amanhã! ( Deves ter tentado telefonar hoje, sem encontrares quem querias. Está tudo bem, o mesmo que queremos para ti. )

12:01 da tarde  
Anonymous Sara e Paulo said...

Um abraço.

1:42 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Eh Janecas
Cá estou eu a ´´beber´´e a saborear os teus encantadores relatos de viajem, que me sabem a pouco.
Estou maravilhado com as descrições, mas os nomes dessas coisas devem ser muito difíceis de pronunciar e para mim ainda mais de fixar;nunca me lembro deles.
A mensagem de solidariedade passou perfeitamente e é bom que neste mundo de tanta indiferença para com os outros, ainda haja corações como o teu para fazer a diferença pela positiva. Continua, filho, que estás no bom caminho;associado à tua generosidade até estou a suportar melhor a tua ausência, pois como tu bem sabes nestas alturas fico um bocadinho em baixo.
E pronto, Janecas, que tudo de bom te aconteça.
Um grande, mas mesmo muito grande, beijinho cá do velhote.

2:13 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Olá João!
Estive uns dias sem poder vir ao tamarugo, só hoje me apercebi da tua proposta de ajuda. Podes contar com 25 euros, quanto ao desenho não te preocupes " há mais marés que marinheiros ".
Um grande abraço da colega da tua mãe
luisa parelho

5:06 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home